O mundo dos surdos: representacões, cotidiano e políticas públicas.

Por Juliana DoUsuario-Vacionato Nóbrega,

Fortaleza, 2010.

Sección: Tesis, tesis de maestría.

 

RESUMEN

A surdez é concebida, do ponto de vista biomédico, como deficiência e o surdo como detentor de anomalia orgânica a ser corrigida. Políticas públicas de saúde e intervenções nessa área revestem-se, correspondentemente, de tal representação.
Considerando o modo como cada grupo elabora sua visão de mundo, objetivamos, com este estudo, compreender as representações e o cotidiano da surdez em uma comunidade de surdos, a fim de refletirmos sobre as políticas públicas a eles destinadas. Utilizamos o referencial teórico-metodológico qualitativo, com uso da técnica de grupo focal seguida da entrevista aberta. Participaram do estudo, em Fortaleza-Ce em 2010, 15 surdos, professores e alunos de curso pré-vestibular da mesma instituição. De forma complementar aos relatos dos surdos, foram entrevistadas quatro fonoaudiólogas. Os achados evidenciaram que coexistem diferentes concepções acerca da surdez. Os surdos a compreendem como experiência visual, de caráter identitário, firmada em seus componentes culturais e lingüísticos. Identidade, cultura e a língua de sinais (Libras) constituem, portanto, sua unidade definidora.
Diferente da lógica instituída na área da saúde, o implante coclear foi concebido, pela maioria dos informantes, como símbolo de retrocesso, de negação e de perda da identidade surda. Apontaram, em seu cotidiano, barreiras atitudinais, de comunicação e informação que dificultam e em outros casos inviabilizam seu atendimento e êxito de suas demandas nos serviços públicos e coletivos, sendo um desafio, para o profissional e o paciente surdo, o atendimento no serviço de saúde.
Em suma, o estudo possibilitou se compreender a surdez com base em sua constituição histórico-social. Diferentes discursos co-existem, visto que a surdez expressa dimensões fisiológica, simbólica e cultural. Compreendê-la em seus distintos aspectos é importante, na medida em que esta pode proporcionar mudanças no modo como os profissionais de saúde e a sociedade ouvinte percebem e se relacionam com os surdos e com as tecnologias auditivas a esses destinadas. Torna-se urgente refletir sobre as estratégias para uma sociedade inclusiva, respeitando as diferentes posições dos atores sociais em questão.

Palavras-chave: Surdez. Identidade. Cultura. Representações e Políticas Públicas de Saúde.

Descargar PDF (531 KB)

Tesis de maestría presentada ante la Faculdade De Medicina de la Universidade Federal Do Ceará en Fortaleza, Brasil.

Sé el primero en comentar

Deja un comentario

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *